Facebook
Twitter
Youtube
Flickr
24,56 ° C

Notícias

Vereadores participam de segunda rodada de conversas sobre base de cálculo do IPTU

Parlamentares puderam esclarecer dúvidas com técnicos da Prefeitura de Itajaí e conhecer detalhadamente as alterações propostas
Data de inclusão: 22/09/2017 17:30

Transparência e competência técnica têm sido os pilares para conduzir a proposta de revisão da planta genérica de valores de Itajaí, documento base para o cálculo do IPTU. Nesta sexta-feira (22), a comissão responsável pelos trabalhos realizou uma segunda rodada de conversas com os vereadores para esclarecer dúvidas sobre o projeto encaminhado à Câmara. A primeira reunião foi realizada na semana passada, na Câmara de Vereadores.

Foram realizadas simulações com 80 mil imóveis de Itajaí, visitas in loco e pesquisas de mercado. Durante o encontro, a comissão técnica, formada por servidores efetivos, apresentou o contraste entre a base de cálculo atual e a realidade de mercado. Os vereadores puderam confirmar, com vários exemplos, que a defasagem da planta genérica pode chegar a 300%. Contudo, o encontro esclareceu cinco pontos muito importantes: há fatores de redução da base de cálculo para se determinar o valor final de um imóvel; a correção se dará num período de até 10 anos; a alíquota do IPTU foi reduzida quase pela metade; o reajuste em 2018 não vai ultrapassar 15% para imóveis edificados; os descontos para quem paga o IPTU em dia pode chegar a 25%.

Foram mais de duas horas de reunião e esclarecimentos. Os vereadores também puderam comparar o valor médio de pagamento de IPTU de Itajaí com outros membros da AMFRI. Com o valor per capta de R$ 200,14, o município fica atrás de Balneário Camboriú, Bombinhas, Itapema, Porto Belo, Piçarras, Penha e Barra Velha.

Além de corrigir os valores desatualizados, o projeto encaminhado à Câmara também prevê o aperfeiçoamento dos critérios que compõem a planta genérica de valores. De acordo com o presidente da comissão interna, Cleberson das Neves, critérios que hoje são textuais (como Luxo, Bom, Normal, Comum e Popular), são passíveis de interpretações equivocadas. Por isso, foram propostos parâmetros técnicos. Número de quartos, banheiros e áreas de lazer são alguns exemplos para se determinar o acabamento de um imóvel.

“Estamos mexendo num assunto que há muito tempo era deixado de lado, pois causa desconforto. Realizamos estudos técnicos e encontramos uma alternativa para regularizar gradativamente a base de cálculo. Faremos o que é certo e isso se transformará em melhorias na qualidade de vida da população nas mais diversas áreas”, avalia o prefeito Volnei Morastoni.

Para garantir a justiça tributária, quando se é cobrado o valor correto dos tributos, o secretário da Fazenda, Erico Laurentino, revelou que será realizado um processo simplificado de regularização. Ou seja, os contribuintes poderão questionar e corrigir fatores que possam diminuir ainda mais o IPTU. Por exemplo, uma casa de 20 anos terá um fator de cálculo diferenciado de uma casa nova e, portanto, deve pagar menos.

O projeto de revisão da planta genérica de valores tramita nas comissões da Câmara de Vereadores.
 

Imagens relacionadas

Vereadores participam de segunda rodada de conversas sobre base de cálculo do IPTU
Vereadores participam de segunda rodada de conversas sobre base de cálculo do IPTU
Vereadores participam de segunda rodada de conversas sobre base de cálculo do IPTU
Facebook
Twitter
Youtube
Flickr
Todos os direitos reservados © 2017 - Município de Itajaí